Como é feita a Individualização de água em Condomínios – Parte I – Fernando & Fernandes

Filiais

Copacabana
Flamengo
Tijuca
Méier
Recreio
Jacarepaguá

Funcionamento

Segunda à Sexta
9:00h às 17:00h

Matriz

Vila Isabel / RJ
Rua Torres Homem, 217
(21) 2575-0880

Lista de comparação

Como é feita a Individualização de água em Condomínios – Parte I

Como é feita a Individualização de água em Condomínios – Parte I

É indiscutível que a cobrança individualizada da água em condomínios é a forma mais justa e ecologicamente correta de se custear o uso desse bem tão precioso.

Com a medição individualizada, cada unidade paga apenas pelo volume de água consumido, o que permite a cada um acompanhar, mês a mês, o seu gasto.

Via de regra, uma empresa é contratada para fazer essa a leitura e a cobrança, já que na maioria esmagadora dos condomínios, a concessionária de água faz a leitura apenas na entrada de água principal do condomínio. Assim, a mesma é dividida entre os moradores, e paga de uma vez só pelo condomínio.

Legislação

Em 2016, o presidente Michel Temer sancionou a lei 13.312  que tornará obrigatório que, a partir de 2021, todos os condomínios novos brasileiros sejam entregues prontos para a medição individual da água.

Assim, a individualização fica assegurada no futuro, assim como um consumo mais racional da água.

individualização dos hidrômetros começou a ser uma vontade/necessidade dos condomínios – e então virar uma realidade – no início dos anos 2000.

Além de ser mais justo, também agrega valor à unidade, isso porque cada um fica responsável por pagar apenas o que consumiu, o que costuma beneficiar a maioria das unidades condominiais, o que é um diferencial para quem está comprando uma unidade no local.

Também é importante salientar que há mais de dez anos, o peso das contas de consumo era outro, dentro do orçamento do condomínio.

Condomínios novos e antigos

Em condomínios antigos, a maior dificuldade para a individualização da conta é o número de prumadas por unidade, o que pode acabar inviabilizando a obra. 

O calculado é que três ou, no máximo, quatro registros sejam o limite para a conta fechar para o condomínio.

Outro ponto “contra” os condomínios antigos é a sua tubulação, muitas vezes feita de ferro galvanizado – já sofrendo pela ação do tempo.

Se o empreendimento contar com esses problemas, uma alternativa a ser considerada seria um retrofit hidráulico, de forma a contemplar a individualização e a melhoria do encanamento do condomínio.

Já os empreendimentos mais novos, estes estão, via de regra, aptos a receber esse tipo de serviço.

Cada unidade conta com uma prumada apenas, e é na entrada desta para a unidade que o hidrômetro é instalado, sendo necessárias poucas intervenções no local. 

O que é necessário é contratar uma empresa para fazer a instalação desses leitores e efetuar a leitura dos consumos mensalmente. 

Como funciona a leitura mensal do consumo d´água nos condomínios

Hoje, a medição em condomínios pode ser feita remotamente ou in loco. Quando ocorre in loco, um funcionário faz a leitura de todos os medidores, e, assim, é calculado o consumo mensal da unidade.

Não é recomendamos esse tipo de leitura, já que ele é muito mais suscetível a erro. O mais indicado é optar por uma empresa que faça a medição de forma remota e automatizada, além de não ser a forma mais confiável de se aferir o consumo, destacar o zelador para essa função pode trazer problemas para o condomínio podendo configurar acúmulo de função, e fazer com que o condomínio seja alvo de ação judicial trabalhista no futuro. Já que está fazendo um investimento, o ideal seria que o condomínio optasse, dentro de sua realidade financeira, por um serviço que fosse o mais completo possível, evitando revisões num futuro próximo.

Os serviços mais modernos, na maioria das vezes, envolve pouca interação humana: o próprio sistema envia os dados de consumo para a empresa que, assim, gera os dados para a cobrança do consumo. A administradora recebe esses dados e os repassa às unidades respectivas, no boleto condominial.

Cuidados ao contratar empresa de individualização de hidrômetros

Escolher a empresa que fará a individualização e a medição do consumo de água envolve diversos fatores, e, sendo um investimento considerável, é importante que o síndico não se foque só no preço, já que há uma extensa gama de serviços diferentes, desde como vai ser feita a leitura do consumo, como é feita a gestão dos dados dos moradores, até o tipo de atendimento oferecido pela empresa parceira.

É importante também que os medidores oferecidos pela empresa escolhida sejam “lidos” por outras companhias. 

Quando o equipamento só é lido pela própria empresa, o condomínio fica refém da mesma, não tendo opção de trocar de prestador de serviço futuramente sem ter que investir novamente em novos hidrômetros.

O hidrômetro da empresa deve ser cadastrado na concessionária local, e contar com certificação adequada. 

A empresa também deve contar com quadro próprio de engenheiros e oferecer ART para o síndico, além de contar com seguro de responsabilidade civil para qualquer eventualidade que ocorra.

Ainda falando sobre tecnologia, atualmente já é possível conferir em tempo real o consumo das unidades.

Muitas empresas têm se focado no desenvolvimento de aplicativos para melhor transparência do sistema de medição, além de estimular a economia e o uso racional da água.

Daí se vê a importância não apenas do preço, mas da qualidade do serviço oferecido.

O ideal é que a empresa não seja apenas uma instaladora de equipamentos: ela também deve oferecer excelência em atendimento aos moradores e suporte adequado ao síndico, já que dúvidas acerca da leitura efetuada podem ser comuns, principalmente nos primeiros três meses após a instalação do sistema. 

Tipos de sistema de leitura individualizada em condomínios

Qualquer que seja o modelo ou tipo de tecnologia escolhida, o condomínio terá que pagar mensalmente por uma taxa de gestão de consumos individuais (geração de relatórios). Em alguns sistemas mais modernos o valor é reduzido.

Outros, que exigem uma medição local, por exemplo, e podem apresentar mais necessidades de reparos, o valor é mais alto.

Com diversas opções, é importante que o condomínio faça uma boa pesquisa antes de se decidir. Pedir uma ajuda para a administradora, nesse caso, é uma ótima alternativa.

Os hidrômetros ficam na entrada da prumada para a unidade.

1) SISTEMA POR RÁDIOFREQUÊNCIA

A medição feita nos hidrômetros de cada unidade é sem fio, e as informações de consumo de cada unidade são passadas para uma central por meio de rádiofrequência.

A tecnologia é segura e dispensa instalações de cabos ou a necessidade de obras, mesmo em edifícios muito antigos, por isso, é o sistema mais recomendado para condomínios com diversas prumadas. Aplica-se também em condomínios novos e pré-equipados para a medição individualizada.

Com a tecnologia wireless (ou seja, que não necessita de fios – como a internet) um leiturista não precisa mais ir até o condomínio, já que os dados são enviados automaticamente para a análise.

Esse tipo de sistema não exige muita manutenção ou a existência de qualquer outro sistema dentro do condomínio. A maioria possui longas garantias de fábrica

2) SISTEMA DIGITAL

Nesse sistema é instalado um hidrômetro para cada unidade, que fica na entrada do apartamento. Os tipos de leitura podem ser variados.

A leitura do consumo é feita por um sistema de computador e não exige a entrada de um funcionário (leiturista) para recolher os dados.

Por outro lado, para a instalação são necessárias algumas adaptações no apartamento, o que pode gerar grandes transtornos em prédios mais antigos, com muitas prumadas, já que precisarão passar por obras. Edifícios com tubulação de cobre pagam mais caro do que os com tubos de PVC.

Como a medição é feita por um único programa de computador, quanto mais apartamentos no condomínio, mais barato fica para cada morador.

3) SISTEMA DE LEITURA PULSADA

Prédios novos e antigos podem receber esse sistema.

É feita uma quebra 15 cm por 25 cm para localizar a tubulação. Instala-se hidrômetro com saída pulsada. A cada litro de água consumido, o equipamento envia um impulso elétrico para o painel.

Instala-se também um bloqueador de água, com o objetivo de punir a inadimplência.

Como se trata de uma benfeitoria de custo elevado, o ideal é que o síndico se cerque de cuidados ao tratar do tema promovendo uma Assembleia. Fonte: Sindiconet

 

img

felipebrito

Artigos relacionados

Lei do Inquilinato: entenda quais são os direitos e deveres do inquilino

Lei do Inquilinato: entenda quais são os direitos e deveres do inquilino Lei de 1991 é...

Continue lendo
por felipebrito

Certificação Digital e o Condomínio

  A certificação digital é obrigatória e necessária para acessar o canal...

Continue lendo
por felipebrito

Condomínios que são grandes produtores de lixo terão que pagar por sistema particular de coleta no Rio

A coleta de lixo de alguns condomínios do Rio não será realizada mais pela Comlurb, em...

Continue lendo
por felipebrito

Junte-se à discussão